19ª Goiânia Mostra Curtas abre inscrições para filmes

Por Carolina Pessoni 

Filmes podem ser inscritos gratuitamente de 14 de maio a 4 de julho. Selecionados concorrem ao troféu Icumam e prêmios em serviços.

Goiania_Mostra_Curtas_2018 (3)

O Icumam abre inscrições para filmes na 19ª Goiânia Mostra Curtas de 14 de maio a 4 de julho de 2019,  pelo site www.goianiamostracurtas.com.br. A participação é gratuita e os filmes vencedores das mostras competitivas levam o Troféu Icumam, além de prêmios em produtos e serviços fornecidos por parceiros da indústria cinematográfica, com foco no incentivo à produção. Além do júri popular, o júri oficial que elegerá os vencedores é formado por realizadores, roteiristas, diretores, críticos e pesquisadores com atuação nacional.

Maria_AbdallaGoiânia, em Goiânia – Goiás, e é composta por cinco mostras competitivas: Curta Mostra Brasil, Curta Mostra Goiás, Curta Mostra Animação, Curta Mostra Cinema nos Bairros e 18ª Mostrinha. Sendo a Mostrinha voltada ao público infanto-juvenil e geral interessado, que articula a rede pública de ensino do estado e municípios; além de uma mostra especial não competitiva que aborda uma temática relevante do nosso cotidiano para promover a reflexão, a representatividade e a discussão sobre o assunto.  Na edição de 2018, o festival teve 999 filmes inscritos. Podem participar filmes de ficção, de documentário, experimentais e de animação com duração máxima de 25 minutos, realizados a partir de 1º de janeiro de 2018 e que tenham cópia de exibição em formato de acordo com as especificações técnicas previstas no regulamento disponível no site oficial do evento www.goianiamostracurtas.com.br. A lista de obras selecionadas está prevista para ser divulgada até o dia 22 de julho, também pelo site do festival, podendo haver prorrogação a critério da organização.

Goiania_Mostra_Curtas_2018 (2)

O festival conta também com vasta programação paralela com lançamentos literários, debates, encontros com realizadores, laboratórios de roteiros audiovisuais e oficinas essenciais para a formação, qualificação e capacitação de forma elevada dos participantes. Esta edição contará ainda com a Feira Audiovisual, um espaço pensado para reforçar a continuação da feitura de curtas-metragens, discutir a sua importância no Brasil e de como este formato é fundamental para representar o cinema brasileiro no exterior. A proposta da Feira é oferecer mais do que apenas um encontro entre profissionais, mas um espaço para a capacitação seja através de oficinas e masterclasses, por meio da discussão e do encontro em painéis e eventos de networking. Estarão presentes cineastas, produtores, agentes internacionais de vendas, representantes internacionais, distribuidores, exibidores e representantes do governo e de agências de fomento.

cartaz_19_Goiania_Mostra_Curtas

A diretora-geral da Goiânia Mostra Curtas, Maria Abdalla, ressalta que a história do festival tem relação íntima com o histórico de desenvolvimento do audiovisual em Goiás. O setor está em franco crescimento e desenvolvimento, com isso, a produção goiana está presente em eventos audiovisuais e festivais com premiações em longas e curtas. “Esse momento se deu por meio de festivais, da organização da sociedade civil, associações e entidades do setor audiovisual. Além disso, contribuíram para esse crescimento a criação de leis de incentivo, políticas públicas, festivais, universidades e cursos voltados para o setor de audiovisual”, reforça.

A Goiânia Mostra Curtas, em seu início, atendia demandas primárias de formação e, agora, estimula atividades relacionadas ao mercado de forma avançada, pensando também na capacitação em quase duas décadas. “Todos os projetos do Icumam apresentam demandas não só do estado de Goiás, mas também de diversas regiões do país. Assim, a importância do festival não se dá apenas pela exibição e divulgação, mas também para a formação e qualificação profissional há quase duas décadas”, explica Maria Abdalla.

Para a diretora-geral do festival, esta edição é de extrema relevância. “Estamos vivendo um momento de muita atenção com a cultura de forma geral, mas, principalmente, com relação ao audiovisual brasileiro. Já são 19 anos de um festival reconhecido nacionalmente, mantendo sempre o mesmo empenho para que o evento seja melhor a cada edição. Nosso trabalho é para que ele cumpra o seu objetivo principal, que é contribuir para a democratização e difusão das produções audiovisuais brasileiras em curta-metragem. Além disso, o festival causa impacto no mercado da indústria e economia criativa, e na criação e geração de empregos e rendas”, ressalta.

Arte

A arte da 19ª Goiânia Mostra Curtas tem como base a obra que o artista plástico goiano Fernando Costa Filho cedeu para o festival. Pintor, desenhista e artista gráfico, Fernando Costa Filho pertence à geração da arte contemporânea de Goiás, sendo o precursor do desenho contemporâneo no Estado. Com mais de 40 anos de carreira, Fernando iniciou suas atividades em artes plásticas em 1963, em Brasília, e seguiu para São Paulo em 1971, onde seguiu paralelamente com atividades em projetos gráficos e publicidade. Participou de diversas exposições coletivas em Goiás e por todo o país, como Rio de Janeiro, Curitiba e Brasília.

Com base no tema afeto, encontro e união, As artistas gráficas e designers Beatriz Perini e Franxyk seguiram com as características do trabalho de Fernando, trabalhando sobreposições, cores vibrantes e diferentes estéticas reunidas. “Nos apropriamos da obra de Fernando para criar novas imagens e um alfabeto baseado em suas pinceladas para transformarmos as texturas de seu quadro em um padrão”, explicam as artistas.

Nascida e criada em Goiânia, Beatriz trabalha com elaboração de peças materializando suas experimentações visuais através de gravuras e publicações independentes. Franxyk, que trabalha também com ilustração e tatuagem, produz e distribui suas obras em formatos de zines, roupas e gravuras de técnicas mistas.

A diretora-geral do festival, Maria Abdalla, destaca que ter a presença de artistas goianos em colaboração com o festival só reforça a identidade do evento. “Ter duas jovens artistas responsáveis por toda a criação visual, com base nas obras do querido Fernando Costa Filho, é muito significante. Toda identidade visual desta edição terá uma característica atual, mas sem perder a referência do trabalho de Fernando que, apesar de ter sido produzido na década de 80, é extremamente contemporâneo”, ressalta. 

Curadores

Para esta edição, a 19ª Goiânia Mostra Curtas conta com um exímio time de curadores que irão selecionar os filmes para as mostras competitivas e especial.

Maria Abdalla – Curta Mostra Brasil e Curta Mostra Cinema nos Bairros
Maria_Abdalla

Com experiência em curadoria, júri e produção de filmes e eventos cinematográficos desde 1998,  é idealizadora e diretora-geral da Goiânia Mostra Curtas, sendo sua principal curadora; 

Eduardo Valente – Curta Mostra Goiás
Eduardo_Valente

Cineasta, tendo dirigido três curtas e um longa, todos com passagem por distintas seções do Festival de Cannes, entre inúmeros outros eventos no Brasil e no mundo. Seu filme de estreia, Um Sol Alaranjado, ganhou o primeiro prêmio na competição Cinefondation (Cannes). Entre 2011 e 2016 trabalhou como Assessor Internacional da ANCINE (Agência Nacional do Cinema). Ministra aulas na Academia Internacional de Cinema e atua ainda com crítica e programação de festivais, sendo atualmente parte da equipe de programação do Olhar de Cinema em Curitiba e delegado no Brasil do Festival de Berlim. 

Cesar Cabral – Curta Mostra Animação
Cesar_Cabral

Formado em Cinema pela Universidade de São Paulo, atua como diretor e produtor em projetos para Cinema e Televisão. É sócio da Coala Filmes, produtora especializada em animação stop-motion. Tem em seu currículo os curtas Dossiê Rê Bordosa (mais de 70 prêmios em festivais nacionais e internacionais), Tempestade e a série Angeli The Killer. No momento finaliza seu primeiro longa-metragem “Bob Cuspe – Nós Não Gostamos de Gente”. 

Gabriella Romeu – 18ª Mostrinha
Gabriela_Romeu

Jornalista, documentarista e escritora, especializada em produção cultural para a infância, com vinte anos de atuação em projetos que abordam temáticas infantis. Escreve há vinte anos para no Jornal Folha de S. Paulo. É diretora do projeto infâncias (www.projetoinfancias.com.br), corroteirista do curta documental Disque Quilombola e dirigiu o documentário Meninos e Reis.

Lila Foster – Curta Mostra Especial
Lila_Foster

É pesquisadora e curadora. Articulando pesquisa histórica e preservação audiovisual, o seu trabalho concentra-se no levantamento da produção amadora e experimental no Brasil. Como curadora, atuou nos festivais Curta 8 – Festival Internacional de Cinema Super 8 de Curitiba e (S8) Mostra de Cinema Periférico (A Coruña, Espanha).  Atualmente integra a equipe de curadoria da Mostra de Cinema de Tiradentes e Mostra de Cinema de Ouro Preto.

Marcus Mello – Curta Mostra Especial
Marcus_Mello

Programador, pesquisador e crítico de cinema, um dos editores da revista Teorema (2002), uma das publicações de cinema mais respeitadas do Brasil. Entre agosto de 2004 e março de 2012 foi titular da coluna de cinema da revista Aplauso (edição 57 a 113). Formado em Letras, é Mestre em Literatura Brasileira pela UFRGS e especialista em gestão cultural pela Universidade de Girona, na Espanha, em curso realizado em parceria com o Itaú Cultural de São Paulo.

Busca por parceiros

A Goiânia Mostra Curtas é realizada pelo Icumam Cultural e Instituto, com patrocínio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE, Fundo Setorial do Audiovisual – FSA e Agência Nacional do Cinema – Ancine, e apoio da Unimed, Sesi Goiás e Sebrae Goiás.

O Icumam busca outros parceiros junto a empresas, parcerias institucionais e organizações do terceiro setor para sua realização. “Estamos em um momento extremamente complicado para o audiovisual. Com reformulação de Ministérios e cortes de verbas de todas as instâncias de governo, o apoio de parceiros é indispensável para que o evento seja realizado e cumpra com seu propósito de quase 20 anos”, reforça Maria Abdalla. 

Serviço :

Assessoria de Comunicação: Carol Pessoni

Inscrições de filmes na 19ª Goiânia Mostra Curtas

De 14 de maio a 4 de julho de 2019

Pelo site: www.goianiamostracurtas.com.br

Mais informações: (62) 9 8437-3707 (Carol Pessoni) e (62) 3218-3779 (Icumam)

Inscrições gratuitas

Icumam Instituto Cultural

www.icumam.com.br

 

Da Catalunha para Goiás, estreia ‘Adan Experience’ no Teatro Goiânia

Por João Bosco Amaral

Com apoio institucional do Fundo de Arte e Cultura de Goiás, estreia nos dias 17 e 18 de maio (sexta e sábado) às 20h, no Teatro Goiânia a nova peça da Cia. Teatral Oops!.. “Adan Experience”, que foi inteiramente desenvolvida na Espanha durante a residência artística “Conexiones Escénicas”. A montagem é uma co-produção Brasil/Espanha que tem a direção de Antonio Gómez Casas e atuação de João Bosco Amaral. A dramaturgia foi desenvolvida pelos dois criadores e contou ainda com a colaboração de Laurent Cottel (França), Mercé Ballespi (Catalunha) e Sol Silveira (Brasil). A Entrada é gratuita para todas as sessões.

DSC_3225

Adan Experience 

“Isto não é uma conferência, isto não é uma palestra, não é uma peça de teatro. Isto é a vida …”

Venha e compartilhe um momento de sua existência com o agitador cultural Adan Yelbal, em uma experiência que pode mudar sua percepção sobre o mundo. Um debate sobre as questões que intrigam a humanidade desde os seus tempos mais remotos. Estas eternas perguntas sem respostas serão colocadas em xeque, na busca de soluções que podem definir o futuro da espécie.

DSC_3497

O Conhecimento, a Vida e a Arte são, antes de tudo, experiências que merecem ser compartilhadas com alegria e felicidade, numa ode ao desenvolvimento cognitivo e tecnológico do ser humano e suas criações e descobertas ao longo de sua existência na Terra. Assim, a experiência deste encontro será uma verdadeira celebração e reflexão à tudo que produzimos e criamos durante a nossa “estada” aqui.

Qual será o futuro da nossa espécie?

Estamos próximos da extinção do Homo Sapiens?

Adan, em seu best-seller, “Experience – 4th Revolution”, nos propõe a solução.

DSC_3170

Conexiones Escénicas 

O projeto é um intercâmbio e uma residência artistica da Oops!.. (Brasil) com a Aula de Teatre (Espanha), envolvendo artistas e criadores dos dois núcleos artísticos. O processo iniciou em outubro de 2018, e envolve, além da montagem “Adan Experience”, um curso de “Processos de Criação” ministrado por João Bosco Amaral que culminou em uma montagem que estreou em janeiro de 2019, tendo como base a dramaturgia de Nelson Rodrigues, a interação de artistas da Oops!.. com diferentes cursos e disciplinas ofertadas pela Aula Teatre, além de outras atividades artísticas que acontecem na cidade de Lleida e na região da Catalunha. O grupo também recebeu estagiários do Ciclo de Formação em Grau Superior da Aula de Teatre, para que os mesmos pudessem vivenciar práticas teatrais com um grupo profissional de Teatro.

DSC_3055

Nos dias 22, 23 e 24 de maio haverá a Oficina Conexiones Escénicas, um dos desdobramentos do projeto homônimo que tem como objetivo difundir e compartilhar, de maneira prática e teórica, o conhecimento e a experiência adquiridos ao longo da residência artística desenvolvida na Espanha ao longo de aproximadamente quatro meses. A oficina será ministrada pelo ator e diretor João Bosco Amaral, e contará com a participação do diretor e dramaturgo espanhol Antonio Gómez Casas.

A oficina acontecerá de quarta a sexta, das 18h às 22h. As inscrições são gratuitas e já podem ser feitas através do e-mail ciaoops@hotmail.com . Os interessados devem enviar o nome completo, contato telefônico e currículo resumido. Serão disponibilizadas até 30 vagas, e os selecionados serão divulgados até o dia 20/05.

Serviço

“Adan Experience” – Estreia

Dias 17 e 18 de maio (sexta e sábado)

Às 20h

Teatro Goiânia

Entrada Gratuita

CIA TEATRAL OOPS!..

Fone:  (62) 4141.0500 | 98408.7294 e 98406.0060 [TIM]

Site: www.ciaoops.com.br
Youtube:  http://www.youtube.com/user/CiaTeatralOops
Facebook:  Cia Teatral Oops!..

https://www.facebook.com/CiaTeatralOops
Instagram: https://www.instagram.com/ciaoops/

Twitter: @ciaoops

 

Imperial Russian Ballet chega a Goiânia com o espetáculo ‘The Best of Tchaikovsky’

Por FatoMais Comunicação

Imperial Russian Ballet anuncia sua volta ao Brasil em turnê, após hiato de nove anos. Com o inédito espetáculo ‘The Best of Tchaikovsky’, contendo trechos dos três mais importantes balés do repertório clássico: ‘O Lago dos Cisnes’, ‘A Bela Adormecida’ e ‘O Quebra-Nozes’, a aclamada companhia se apresenta em Goiânia no dia 12 de maio, às 20h, no Teatro Rio Vermelho. Além da capital goiana passarão por São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Brasília, Recife, Fortaleza, Natal, João Pessoa, Ribeirão Preto e Campinas, numa realização da Art Rec Produções.

Lago dos Cisnes 26

Criado em 1994 por Gediminas Taranda, estrela do Ballet Bolshoi de 1980 a 1993, o Imperial Russian Ballet reúne artistas vindos das melhores escolas de balé do mundo, como a Ópera de Paris, Teatro Mariinsk, Teatro Bolshoi e American Ballet Theatre.

Quebra Nozes 58

O grupo representa a harmonia e integridade da Escola Russa de Balé, mantendo as tradições e a continuidade daquilo que é passado de geração para geração. Taranda, diretor artístico do conjunto, é o responsável por realizar as versões que a companhia apresenta, baseadas nas coreografias originais. A principal tendência é o estilo clássico, mas, ao mesmo tempo, as apresentações do grupo apresentam também o estilo moderno – e esse fenômeno foi pioneiro para a Rússia. O repertório é montado com base em uma combinação de explorações artísticas clássicas e modernas.

A Bela Adormecida 26

No elenco de 28 bailarinos que virão ao Brasil, o destaque vai para os solistas Ivan Zviagintsev (que já passou por companhias como Bolshoi, Russian Ballet Theatre e Russian National Ballet); Kseniia Pukhlovskaia (Russian Ballet Theatre e Russian National Ballet); Lina Sheveliova (Teatro Nacional de Ópera e Balé da Moldávia); e Nariman Bekzhanov (Teatro de Ópera e Balé Abay State, no Cazaquistão).

 

No Imperial Russian Ballet, o talento e a personalidade de todos os profissionais são altamente respeitados. Cada artista do grupo tem a chance de mostrar seu potencial criativo ao máximo. ‘Imperial’ é o nível mais alto na concepção do balé russo, significando o melhor no mundo. Os fundadores do grupo expressaram dessa forma o respeito pela dinastia que deu uma grande contribuição para o desenvolvimento da cultura russa e estabeleceu o sistema dos teatros imperiais, incluindo o Bolshoi e o Mariinsk.

O Imperial Russian Ballet faz turnês por todos os continentes desde sua criação, já tendo passado por países como Japão, China, Espanha, Portugal, França, Alemanha, Finlândia, Emirados Árabes, Cazaquistão, Nova Zelândia, Austrália, Argentina e Chile. Suas apresentações em Moscou são fixas no Tchaikovsky Concert Hall, no Teatro Mossovet, mas o palco principal do grupo é o Teatro E. Kolobov ‘New Opera’.

Além da reconhecida qualidade técnica, o cenário, figurino e iluminação merecem atenção especial da companhia, que traz todo o arsenal original direto de Moscou. Para esta turnê, 1,5 toneladas de material cênico e figurinos vêm ao Brasil.

O Fundador 

Gediminas Taranda é respeitado mundialmente por seus trabalhos teatrais, juntamente com seus empenhos sociais e de caridade. Estrela do Teatro Bolshoi por 13 anos (destaque em “A Idade de Ouro” e “Raymonda”, coreografados por Yuri Grigorovich), há 25 anos atua como Diretor Artístico do Imperial Russian Ballet. Em 2002, Taranda foi presidente do 1º Festival Internacional de Balé de Moscou “Grand Pas”, que se transformou no festival oficial anual de balé da cidade. Produziu e coreografou muitas performances, incluindo o premiado filme “Nika”, estrelado por Alexei Nemov, ex-ginasta olímpico; ‘O Lago dos Cisnes na Água” na piscina olímpica em Pequim, “Opera Mania” e “Symphonic Mania”, na França.

Ele foi o organizador de eventos culturais para a equipe da Rússia nos Jogos Olímpicos de Atenas, Turim, Pequim, Vancouver e Londres, além de ter sido premiado com uma medalha do Comitê Olímpico Internacional por Promoção do Movimento Olímpico. Gediminas apareceu em inúmeros programas de televisão, incluindo o concurso de boxe beneficente “The King of Ring” e “Ice Age”, de Ilia Averbukh, no qual ele dançou no gelo com a campeã mundial e a medalhista olímpica na patinação artística Irina Slutskaya. Em auxílio à caridade, Gediminas organizou bailes russos e europeus e participou de promoções dedicadas à luta contra a Aids e o câncer em todo o mundo.

Ficha Técnica

Diretor Artístico: Gediminas Taranda

Produção Executiva: Elena Colesnicenco

Solistas: Ivan Sviagintsev, Lina Sheveliova, Nariman Bekzhanov, Kseniia Pukhlouskaia Duração: 1h45, com intervalo de 15 min.

Serviço

Imperial Russian Ballet

Data: 12 de maio de 2019.

Horário: 20h

Local: Teatro Rio Vermelho

Valor dos ingressos:

Plateia inferior:

Setor Vip (Fila de A a M)

R$ 240 (inteira) / R$ 120 (meia-entrada)

Setor B (Fila de N a T)

R$ 180 (inteira) / R$ 90 (meia-entrada)

Plateia superior:

R$ 100 (inteira) / R$ 50 (meia-entrada)

Ingressos à venda:

Komiketo da T-4 (St Serrinha), Armazém do Livro (da Av. Goiás e da Av. T-63) e pelo site www.eventim.com.br

Informações: 3219-3300/3400

 

Espetáculo “A Bela e a Fera In Concert”, dia 27 de Abril, no Teatro Rio Vermelho

Por Kadu Faria 

Teatro Rio Vermelho receberá na tarde deste sábado, às 16h30 do dia 27 de Abril o espetáculo “A Bela e a Fera In Concert”. A musical ao vivo que já percorreu mais de 50 cidades brasileiras tem assinatura da equipe Brz Produções, será encenada por mais de 30 integrantes e possui mais de 200 figurinos. A sessão única, livre pra todas as idades está com os ingressos à venda na bilheteria do Teatro, na República da Saúde e no site https://www.guicheweb.com.br/ingressos/10425 . Os preços variam de R$ 40,00 (plateia superior) a R$ 170 (plateia inferior Vip). A produção local é do empresário Alexandre Bisinotto.

Foto 1 - Espetáculo “A Bela e a Fera In Concert”, as 16h30 do dia 27 de Abril, no Teatro Rio Vermelho.

Release do Espetáculo 

Este tradicional conto de fadas francês foi originalmente escrito por Gabrielle-Suzanne Barbot, Dama de Villeneuve, em 1740. Tornou-se mais conhecido em sua versão de 1756, por Jeanne-Marie LePrince de Beaumont, que resumiu e modificou a obra de Villeneuve. Adaptado, filmado e encenado inúmeras vezes, o conto apresenta diversas versões diferentes do original que se adaptam a diferentes culturas e momentos sociais.

Traz a estória de amor entre uma linda e inteligente jovem (Bela) e um príncipe que foi enfeitiçado e transformado em Fera. Bela vive em um vilarejo francês com seu pai, que é capturado e aprisionado pela Fera em seu castelo. A jovem consegue localizá-lo e se oferece para ficar no lugar dele. Sua bondade a faz enxergar o lado humano da Fera, por quem se apaixona perdidamente, quebrando o feitiço. Mesmo a estória sendo já bastante conhecida, o musical inova e surpreende o público ao fazer uma releitura do clássico com o uso de tecnologia para a criação dos cenários.

Foto 5 - Espetáculo “A Bela e a Fera In Concert”, as 16h30 do dia 27 de Abril, no Teatro Rio Vermelho.

 

As projeções em vídeo, por exemplo, criam ilusões de ótica no cenário e ajuda na performance dos personagens. Elenco e figurinos Com uma estrutura esplêndida de equipe e cenário, o musical encanta o público de todas as idades. O destaque fica por conta dos protagonistas: a atriz Flávia Mengar, intérprete da Bela, protagonista de outros aclamados trabalhos teatrais, como a Dorothy, de “O Grandioso Mágico de Oz – O Musical”, e a Ariel, de “A Pequena Sereia” e Bruno Rizzo, conhecido por outros importantes trabalhos como “Aladim”, “Broadway Nights – O Show” e “O Grandioso Mágico de Oz – O Musical” que está no papel da Fera assinando também a Direção Geral.

Foto 3 - Espetáculo “A Bela e a Fera In Concert”, as 16h30 do dia 27 de Abril, no Teatro Rio Vermelho.

São mais de 200 diferentes figurinos, elaborados por Bruno de Oliveira, um dos mais respeitados profissionais brasileiros, inclusive por ter sido o responsável por vestir os artistas que participaram do show de abertura das Olimpíadas, em 2014. A produção executiva fica por conta de Daniela Schiarreta com vasto curriculum em planejamento, logística e administração de recursos. A turnê já percorreu mais de 50 grandes cidades brasileiras, como São Paulo, Recife, Salvador, Goiânia, Brasília, Ribeirão Preto, Paulínia, Londrina, Maringá, Maceió, João Pessoa, Joinville, São José do Rio Preto, Sorocaba, Porto Alegre, Florianópolis, Natal, Fortaleza, Belo Horizonte, Novo Hamburgo e Juiz de Fora, entre outras. Impactando um público de mais de 100.000 pessoas.” 

Foto 8 - Espetáculo “A Bela e a Fera In Concert”, as 16h30 do dia 27 de Abril, no Teatro Rio Vermelho.

Valores dos ingressos:

Plateia VIP FÃ : R$ 170,00 (inteira) / R$ 85,00 (meia)

Regina Duarte dirige peça ‘A Volta ao Lar’, de Harold Pinter – Teatro Goiânia – 3 a 5 de maio

Por Palavra Comunicação

A consagrada atriz Regina Duarte, uma das mais importantes intérpretes brasileiras da televisão, teatro e cinema, é a diretora da peça A Volta ao Lar, adaptação da obra do escritor britânico Harold Pinter, vencedor de um prêmio Nobel de Literatura em 2005. A Volta ao Lar coloca em cena uma família inglesa órfã de mãe, composta pelo pai açougueiro Max (Igor Kowalewski), os filhos Lenny (Rodrigo de Castro) e Joey (João Carlos Filho) e o tio Sam (Ivan Bellangero). Eles são homens à deriva, brutalizados e carentes de uma figura feminina.

danca retouh color

Depois de muitos anos estudando e lecionando filosofia nos Estados Unidos, Teddy (Mauricio Agrela), o primogênito do clã, faz uma visita inesperada ao lar de sua família, acompanhado por Ruth (Alessandra Negrini), sua mulher e mãe de seus filhos. Ruth é um mistério que o feminino encerra e que a direção pretende preservar, cultuar, proteger. A presença feminina provoca alterações impensáveis naqueles homens.

shk paint_DSC9604

Harold Pinter 

O dramaturgo, diretor, ator, poeta e roteirista inglês Harold Pinter (1930-2008) é um dos autores contemporâneos mais premiados do mundo. Entre seus inúmeros títulos estão nada menos do que o Nobel de Literatura de 2005 e o prêmio Companion of Honour da Rainha da Inglaterra. Ele é considerado um dos ícones do Teatro do Absurdo, ao lado de Samuel Beckett e de Eugène Ionesco.

globo a

Pinter escreveu 29 peças de teatro. Entre as mais conhecidas estão Festa de Aniversário (1957), O Porteiro (1959), Traição (1978) e A Volta ao Lar (1964), todas adaptadas para o cinema. A Mulher do Tenente Francês (1981), dirigido por Karel Reisz; Um Jogo de Vida e Morte (2007), dirigido por Kenneth Branagh e O Mensageiro (1971), condzido por Joseph Losey, têm roteiros assinados por Pinter.

mau foto 1 ps

Regina Duarte 

Regina Duarte assinou sua primeira direção em 1974 no Especial A Cartomante, de Machado de Assis, na TV Globo. Dirigiu, ainda na TV, dois episódios do seriado Joana (1984): O Fruto Verde, de Alcides Nogueira, e o especial SOS Solidão, de Caio Fernando Abreu. A Volta ao Lar é sua terceira direção no teatro. Em 2012/2013 dirigiu Raimunda, Raimunda!, de Francisco Pereira da Silva, e em 2014/2015 A Volta para Casa, de Matéi Visniéc, que inaugurou o Núcleo de Estudos de Dramaturgia e Interpretação de Texto (NEDI), coordenado por ela desde 2013. O núcleo tem a proposta de construir um banco de textos de dramaturgia de qualidade e promover pesquisas de formas de interpretação.

_DSC9613

FICHA TÉCNICA

Dramaturgia: Harold Pinter

Adaptação e direção: Regina Duarte

Assistente de Direção: Vivien Buckup

Elenco: Alessandra Negrini (Ruth), Igor Kovalewski (Max), Ivan Bellangero (Sam), João Carlos Filho (Joey), Maurício Agrela (Teddy) e Rodrigo de Castro (Lenny)

Cenografia: J. C. Serroni

Figurino: Fabio Namatame

Iluminação: Wagner Pinto

Trilha Sonora: Ismael Sendenski

Operador de som: Gabriel Greghi

Designer Gráfico: Carlos Rodrigues

Fotografia: Caio Kitade

Camareiro: Rafael Desterro

Consultor Gráfico: Paulo Neumann
Direção de Produção: Raquel Hirsch

Assistente de Produção: Mariana de Souza

Assessoria de imprensa: Pombo Correio 

jk_DSC9640-2

SERVIÇO

A Volta ao Lar, com texto de Harold Pinter

TEATRO GOIÂNIA

Rua 23, nº 252, Setor Central – Goiânia/GO

Dias: de 3 a 5 de maio

Horários: Sexta e sábado às 20h30, e domingo às 19h

Ingressos: R$ 99 (inteira), R$ 121 (inteira) e R$ 143 (inteira). R$ 49,50 (meia-entrada) R$ 60,50 (meia-entrada) e R$ 71,50 (meia-inteira)

Informações: (62) 3942-5576 – ramal 22

Duração: 80 minutos

Classificação: 18 anos

 

CMB Fashion 2019 tem stand up com Eri Johnson e show de Cleber e Cauan e Leo Magalhaes

Por Palavra Comunicação

Na moda

A primeira edição do CMB Fashion 2019 será realizada nesta quarta e quinta-feiras (24 e 25 de abril). Durante os dois dias de evento todas as lojas do shopping atacadista da região Sul de Goiânia apresentam as novidades que estarão nas vitrines de todo o País, com coquetel e presenças VIPs.

Na primeira noite, o ator Eri Jonhson apresenta um stand up, e a dupla Cleber e Cauan faz um show exclusivo para os clientes e assessores de vendas do CMB. Já na quinta-feira, a atração fica por conta do cantor Léo Magalhaes.

Cleber e Cauan Eri Johnson Léo Magalhães

Goiânia recebe Nathalia Timberg em ‘Através da Iris’

Por FatoMais Comunicação

A peça, com texto de Cacau Hygino, direção de Maria Maya e direção de produção de Bruna Dornellas e Wesley Telles, chega a Goiânia com patrocínio da Seguros Unimed e abre as comemorações pelos 90 anos de Nathalia Timberg

_RAL2597

‘Através da Iris’ é uma homenagem à novaiorquina Iris Apfel, ícone mundial da moda aos 97 anos e será apresentado na capital, dias 27 e 28 de abril, no Teatro Sesi.

‘More is more, less is bore.’

“Mais é mais, menos é chato”, uma brincadeira com o velho ‘Menos é mais’, é o lema da novaiorquina Íris Apfel, 97 anos, empresária, designer de interiores e hoje uma das maiores referências mundiais na arte pop e no mundo fashion.

_RAL0248

É sobre esta mulher que fala “Através da Iris”, solo de Nathalia Timberg com texto inédito de Cacau Hygino e direção de Maria Maya. A peça abre as comemorações pelos 90 anos de Nathalia, que se completam em 2019, com a atriz em plena atividade artística. A Direção de produção é de Bruna Dornellas e Wesley Telles da WB Produções.

RAL_1012_A

Através das ideias arrojadas e do humor ácido de Iris Apfel, a peça é um elogio à liberdade de ser e de se expressar, em qualquer tempo da vida. Apfel, hoje aos 97 anos, inspira e surpreende artistas e criadores mundo afora com sua autenticidade e pensamento. Suas ousadas misturas ao se vestir, seus acessórios exuberantes, os óculos gigantes e roupas multicoloridas falam sobre a independência a que todo tem direito. Sobre experimentar – e se experimentar ‘ sem medo do julgamento.

Quando ainda atuava como designer de interiores, Iris, junto ao seu marido, Carl Apfel (morto em 2015, aos 100 anos), viajava o mundo em busca dos tecidos perfeitos para a clientela ilustre que incluía nomes como Estée Lauder, Jacqueline Kennedy Onassis e Greta Garbo. A dupla foi chamada para decorar a Casa Branca por nove mandatos: Truman, Eisenhower, Nixon, Kennedy, Johnson, Carter, Reagan e Clinton. Aos 84 anos de idade, a designer foi surpreendida por uma virada em sua vida: passou a ter seu estilo reverenciado pelo mundo todo depois se tornar tema de uma exposição no Metropolitan Museum de Nova York, onde inicialmente seriam apresentados cinco looks seus em uma pequena galeria, mas o evento se transformou numa exposição inteira com mais de 80 looks e cerca de 150 mil visitantes.

‘Uma das maiores surpresas que tive ao escrever ‘Através da Iris’, foi ter encontrado uma segunda personagem, dentro da nossa ‘Estrela Geriátrica’. Não são apenas, moda, estilo, frases ácidas e divertidas que permeiam seu universo. Descobri uma mulher de vida colorida – ela mesma fala que as cores ressuscitam os mortos – com uma larga experiência, movida pela vivacidade, bom humor e coragem. Encontrei uma Iris que serve de exemplo pra todos aqueles que desistiram da vida. Lembrem-se de que ela tem 97 anos e uma imensa alegria de viver!’, vibra o autor Cacau Hygino.

SINOPSE

Nathalia Timberg está em cena como Iris Apfel dando uma entrevista – ela abre sua casa e divide, com uma suposta equipe jornalística, suas histórias e opiniões sobre os mais variados assuntos, sem papas na língua.

A MONTAGEM 

Nas palavras da diretora: ‘O que mais me interessa durante o processo de construção teatral é a possibilidade de se estabelecer inúmeros pontos de vista sobre a mesma obra ou, no nosso caso, sobre a mesma pessoa. Quando me deparei com essa figura excêntrica, icônica que é Iris Apfel, eu, de imediato, fiz a minha escolha. Transpor para cena não aquela mulher com todos seus acessórios e marcas. Mas sim me apropriar do ser humano que estava por trás disto, aproximando o espectador deste universo, que para mim não era somente estético. Estabeleci minha encenação por vias do teatro documental, na tentativa de ultrapassar essa linha tênue entre realidade e ficção. Onde as questões abordadas são pertinentes a qualquer geração, em qualquer tempo, afirmando verticalmente um pacto com o real’.

A diretora Maria Maya, em parceria com o autor Cacau Hygino, concebeu o espetáculo como um documentário cênico. Os depoimentos da atriz no palco se misturam às suas aparições em vídeos projetados no cenário. As ações presenciais dialogam com as ações virtuais, numa interação em tempo real.

O cenário de Ronald Teixeira é uma grande caixa vazada por janelões, por onde vemos o interior da casa de Iris, com sua exuberância e barroquismo – objetos multicoloridos que vão desde velas e obras de arte a bichos de pelúcia e flores, além de duas coloridas poltronas bergère.

IRIS APFEL

Aos 97 anos e, hoje, mais pop do que nunca, a designer de interiores novaiorquina não foi e nem é estilista, modelo ou editora de moda – isso, porém, não a impediu de se tornar um ícone de estilo, dialogando com o mundo através de seu look, em que não economiza na exuberância e na riqueza de detalhes.

Empresária, designer de interiores e a partir de então genuíno ícone da moda, a norte americana, uma das primeiras mulheres a usar calças jeans nos EUA, ganhou espaço sob os holofotes na última década graças à sua autenticidade e ao seu inconfundível estilo colorido e exuberante. Segundo a própria, os acessórios são itens obrigatórios na composição do look, o que torna qualquer um mais elegante.

Entre 2005 e 2006, Iris foi tema da exposição ‘Rara Avis: Selections from the Iris Barrel Apfel Collection’, que aconteceu no Metropolitan Museum (NY); em 2007, apresentou peças de seu guarda-roupas para o livro ‘Rare Bird of Fashion: The Irreverent Iris Apfel’; em 2011, no auge de seu reconhecimento, fechou parceria com famosa empresa de maquiagem para lançar uma coleção exclusiva.

Envelhecer graciosamente é não usar maquiagem pesada e não tentar parecer mais nova. Eu acredito que foi Chanel quem disse ‘Nada faz uma mulher parecer tão velha quanto tentar desesperadamente parecer jovem’. Acho que você pode ser atraente em qualquer idade. Nunca tive muito mentores ou ícones nem nada, eu simplesmente fui indo. Não estou fazendo nada violentamente diferente do que eu fazia há 50 anos. Meu marido e eu riamos disso o tempo todo porque pensamos ‘Meu Deus’, essas garotas dizem que eu sou ‘cool’, ou ‘hot’, ou qualquer que seja a expressão, e eu não estou fazendo nada diferente do que fazia há muito tempo. É engraçado. Não posso dizer que não gosto, é muito lisonjeiro! Quando você é velho, começa a desmoronar ‘ e precisa fazer o melhor possível para se manter firme. Acho que fazer coisas e se manter ativo é muito importante. Graças a Deus eu amo fazer coisas. Eu me sinto abençoada por ter todas essas oportunidades nessa fase da vida’ ‘ Iris Apfel

FICHA TÉCNICA

Texto: Cacau Hygino

Direção: Maria Maya

Elenco: Nathalia Timberg

Diretor Assistente: Michel Blois

Diretores de Produção: Bruna Dornellas e Wesley Telles

Produtor Executivo: Deivid Andrade

Produtor Executivo EUA: Victor Barroco

Figurinista: Tati Brescia

Assistente Figurino: Wercisley Neto

Modelagem: Emilia Reily

Confecção e Costura: Ateliê ControlIU

Croquis: Allan Azevedo

Cenografia e Direção de Arte: Ronald Teixeira e Guilherme Reis

Assistente de Direção de Arte: Caroline Amaral

Cenotécnico: Humberto Júnior e equipe

Aderecista e Pintor de Arte: Gabriel Barros

Projeções Cênicas: Rico Vilarouca e Renato Vilarouca

Desenho de Luz: Adriana Ortiz

Assistente de Luz: André Martins

Trilha Sonora: Marcello H

Fotos: Rodrigo Lopes

Videomaker TV: Johnny Luz

Visagismo: Vavá Torres

Criação da Arte: TeTo Cultura

Operador de Luz: Paulo Moreira

Operador de Som: Bernardo Aragão

Operador de Vídeo: André Boneco

Contrarregras: Davidson Carvalho e Felipe Andrade

Camareira: Silvia Siqueira

Designer Gráfico: Ellen Trevizan

Assistente de Produção: Aline Gabetto

Coordenação Administrativa: Letícia Napole

Assessoria Jurídica: Luana Petry e Priscila Benincá

Assessoria Contábil: Leucimar Martins

Realização: WB Produções

Assessoria de Imprensa: FatoMais Comunicação

Produção Local: Cia de Sucessos

Patrocínio Nacional: Seguros Unimed

NATHALIA TIMBERG – atriz

Carioca, nascida em 1929, Nathalia Timberg é uma das mais importantes atrizes brasileiras. Com longa história no teatro, no cinema e em televisão (desde o lendário Grande Teatro Tupi, da extinta TV Tupi), atuou num sem número de teleteatros e telenovelas, assim como de um dos primeiros telejornais da Rede Globo, o Tele Globo. Tornou-se um mito aos olhos do público durante a exibição de ‘O Direito de Nascer’, nos anos 1970. Alguns de seus trabalhos são considerados clássicos da teledramaturgia.

Reconhecida por sua vasta carreira no teatro e na televisão, foi no cinema que teve sua primeira experiência artística. Aos seis anos, fez uma participação especial no filme O Grito da Mocidade, de 1937. Só voltaria a trabalhar numa produção cinematográfica mais de 20 anos depois.

Coleciona em seu histórico mais de 40 peças teatrais, cerca de 08 obras cinematográficas e mais de 64 trabalhos na televisão, entre minisséries, programas e novelas. Consagrada pelo público e pela crítica, foi indicada a inúmeros prêmios por sua atuação e homenageada em importantes eventos relacionados ao cinema, ao teatro e à televisão.

MARIA MAYA – diretora

Bacharelada em Artes Cênicas pela UNIRIO, Maria Maya é atriz e diretora. Vem dirigindo peças no Rio e em São Paulo com sucesso e regularmente, entre elas “Adorável Garoto’, de Nicky Silver; ‘Não Somos amigas’, de Michelle Ferreira; “Lady Christiny’, baseado em documentário homônimo; ‘Talk Radio”, de Eric Bogosian. Também dirigiu shows, como o de estreia da turnê do disco ‘Momentos que marcam demais’, de Sandra de Sá; e do lançamento da Banda Swing Tribo. Maria Maya já atuou como diretora assistente na televisão (‘Malhação’ e a série ‘Sitio do Pica-Pau Amarelo’, ambas na TV Globo) e no cinema (o curta ‘Angústia’ de Hsu Chien).

CACAU HYGINO – autor

Em 1992, fez sua estreia profissional como ator no teatro. É autor das peças ‘Herivelto Como Conheci’, com Marília Pêra; ‘100 Dicas Para Arranjar Namorado’, com Daniele Valente; ‘Liza, Lisa e eu’, com Simone Gutierrez; e ‘Deu a Louca Na Branca’, com Cacau Protásio.

Teve publicados seus livros ‘Mulheres Fora de Cena’ (Ed. Globo/2005), ‘Nós e Nossos Cães’ (Ed. Globo/2006), ‘Virna ‘ A Trajetória De Uma Guerreira’ (Casa da Palavra/2007), ‘Fofoca’ (Espassum Editora/2008), ‘Herivelto Como Conheci’ (Espassum Editora/2011) e ‘Nathalia Timberg ‘ Momentos’ (MBooks/2014). Lançou ainda a fotobiografia da atriz Irene Ravache – ‘Simples Assim, Irene’ e Zezé Motta.

WB PRODUÇÕES

Bruna Dornellas e Wesley Telles – Diretores de Produção

Há mais de 11 anos em atividade, a WB Produções, idealizada por Bruna Dornellas e Wesley Telles, é uma empresa consolidada no mercado cultural. Em seu portfólio, têm mais de 300 espetáculos apresentados em mais de 500 sessões realizadas, com média de 350 mil espectadores. A produtora já excursionou e fez temporadas com o espetáculo “E o Vento Vai Levando Tudo Embora”, escrita e dirigida por Regiana Antonini; “Deu a Louca na Branca”, com a atriz Cacau Protásio e “O Último Capítulo”, com Mariana Xavier e Paulo Mathias Jr. Além disso, está em processo de montagem e captação dos espetáculos “O Dia Seguinte”, de Regiana Antonini, inspirado na obra de Luis Fernando Veríssimo; e “Misery – Louca Obsessão”, baseado na obra de Stephen King, dentre outros.

SERVIÇO

‘Através da Iris’

Local: Teatro Sesi

Dias 27/04 (às 21h) e 28/04 (às 20h)

Preço: R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia)

50% de desconto na Inteira para Clientes Unimed Seguros, com acompanhante.

Preço: Promocional R$ 60,00 (inteira) e R$ 30,00 (meia)
20% de desconto para plateia superior – Filas P, Q, R e S.

Vendas: Komiketo da T-4 (St Serrinha) e www.ciadeingressos.com

Informações: 3269-0800

Capacidade: 600 lugares

Duração: 50 minutos

Gênero: Documentário Cênico

Vem aí a 4ª edição da Feira Antique, nos dias 25 a 27/04

Por Palavra Comunicação 

A Elementos realiza de 25 a 27 de Abril a quarta edição da Feira ANTIQUE.

Serão três dias de evento dedicados à venda de antigas preciosidades (móveis e objetos), arte e presentes especiais.

1 (3)

Neste ano a feira terá a curadoria do arquiteto Adriano Marini, que além de ambientar especialmente a loja para o evento também realizará uma exposição inédita de suas telas.

1 (1)

Para quem procura presentes exclusivos e diferenciados já pensando no dia das mães, a Feira também contará com peças lindas das bordadeiras Matizes Dumont, cerâmicas e obras de arte.

1 (2)

Serviço:

Evento: ANTIQUE – Feira de Antiguidades, Arte e Presentes Especiais, por Adriano Marini

Local: Elementos Móveis e Objetos - Praça do Cruzeiro, nº 32, Setor Sul, Goiânia – GO

Horários: dias 25 e 26 de Abril, das 9:00 às 19:00
Dia 27 de Abril: das 9:00 às 14:00

Informações: 3241-1180 / 98124-8804

 

Quasar Cia de Dança retorna aos palcos em novo formato e cria espetáculo sobre feminilidades

Por Ana Paula Mota 

“Estou sem Silêncio”, a 28ª obra da Companhia, terá sua estreia no Centro Cultural da UFG e revelará nova estratégia de criação e produção.

E

A movimentação segue intensa e fisicamente forte. A temática se mantém na dimensão humana do mundo contemporâneo. O que muda é o jeito de fazer. E esse jeito novo de tocar a dança é sempre algo instigante, confessa o coreógrafo Henrique Rodovalho. A temática feminina, interpretada por 4 mulheres, segundo ele, nasce desse novo contexto da Companhia. “Estou Sem Silêncio” é o novo espetáculo da Quasar Cia de Dança, que tem estreia marcada para 18 de abril, 5ª feira, em apresentação única, no Centro Cultural da UFG. O projeto não conta com recursos diretos, mas tem o apoio da Universidade Federal de Goiás, por meio do CCUFG, e do MVSIKA! Centro de Estudos. Os ingressos custam R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia-entrada). As vendas online terão início em 01 de abril.

E

Ao completar 31 anos de trabalhos contínuos, estruturantes de uma história reconhecida mundialmente, que influenciou gerações de artistas e espectadores, a Quasar Cia de Dança se projeta em novos desafios e possibilidades, que nascem de um enredo que por si só já seria arte. A ausência de possibilidade de um elenco fixo e perene fez nascer um coletivo feminino desejoso de experimentar mais dos movimentos criados por Rodovalho. Reflexões sobre novas formas de se produzir gerou o impulso de Vera Bicalho, diretora-geral da Companhia, de alinhavar estes talentos em consonância com uma agenda previamente desenhada. A impossibilidade de uma sede própria fez reverdecer parcerias importantíssimas no álbum de histórias da Quasar. Como resultado, todos os envolvidos se preparam para uma obra vigorosa e encantadora.

E

O espetáculo – O hiperlink de um céu de boca 

Não, não será um Déjà Vu, tampouco uma releitura atualizada de uma cena de um dos espetáculos da mesma Companhia. De fato, tudo começará a partir daquele ponto em que quatro mulheres se alinharam em cena, no ano de 2009, sob luz difusa e esverdeada de um dos refletores do espetáculo Céu na Boca e ao som de Ray Conniff se transformaram em estereótipos do que seriam comportamentos femininos. A partir daí cria-se um parênteses.

E

Segundo Henrique Rodovalho, a ideia é abrir uma fresta no espaço-tempo, descerrando uma janela que permite espiar um pouco mais aquele instante, desta vez ampliando as diversas camadas que compõem uma cena aparentemente cômica e banal.

E

A partir dessa configuração, de 4 mulheres em cena e das 4 bailarinas que se propuseram a este projeto, me ocorreu a possibilidade de fazer um espetáculo de fato sobre mulheres. Principalmente por causa desse momento que está acontecendo no Brasil e em todo o mundo, em que as questões de gênero, de empoderamento feminino, do combate à violência contra a mulher estão cada vez mais em evidência. Não desejo fazer um espetáculo panfletário, mas quero sim colocar em cena essa força, essa luta, esse enredo que envolve toda a sociedade, mas quero fazer isso de uma maneira diferente.” Confirma Rodovalho.

Mudanças na forma da dança? 

Henrique Rodovalho e Vera Bicalho se reuniram ainda jovens, no ano de 1988, com o propósito de criar um grupo de dança que pudesse transpor para cena os anseios de uma geração de artistas goianos que assistiam transformações caudalosas nas formas de se fazer teatro, dança, artes visuais, música, cinema, literatura em todo o mundo. O novo corpo de bailarinos-criadores, multifacetado, heterogeneamente dinâmico, causou estranheza, mas também gerou lastro para que coisas inéditas viessem à tona. Pouco mais de uma década depois de sua fundação, a Quasar se tornou reconhecida por uma linguagem única, impregnada de sentidos, representativos de um lugar, de um tempo, de afetos e substâncias muito humanas.

De acordo com seus criadores, a Quasar segue sendo a Quasar. Henrique cria a dança e Vera cria as oportunidades para que ela aconteça. O par continua em cena, estimulado, como estava há 31 anos, pela necessidade de produzir arte. E a linguagem, nesse processo de arrumação, de rearranjo, se expande. Henrique comenta que o contexto o instiga. O faz querer descobrir novas formas, para que seja entregue ao público uma obra com ainda mais qualidade que antes. Vera Bicalho faz coro com Henrique, buscando os caminhos que permitam essa continuidade, mas com a garantia de que seja posto em cena todos os atributos que fizeram da Quasar esse corpo celeste capaz de fulgurar nos mais conturbados universos. Assim, elenco, equipe de produção, equipe técnica, criadores, se tornam uma só massa em ebulição, girando a toda velocidade, com o único propósito de emitir ainda mais energia.

Ficha técnica:

Elenco: Gabriela Leite, Marcella Landeiro, Thais Kuwae e Valeska Gonçalves

Elenco de apoio: Loretta Pelosi.

Coreografia e desenho de luz: Henrique Rodovalho

Produção: Vera Bicalho e Giselle Carvalho

Operador de luz: Sérgio Galvão

Serviço: Quasar Cia de Dança estreia “Estou Sem Silêncio” 

Goiânia

Data e horário: 18 de abril / 2019 – 20h

Local: Teatro do Centro Cultural da UFG (Praça Universitária)

 

Ingressos: Ingressos: R$60,00 (inteira) | R$30,00 (meia-entrada)*

* Meia-entrada promocional: as vendas antecipadas ocorrerão no site Sympla e todos terão direito a meia-entrada para compras até o dia 17 de abril.

 

Duração prevista do espetáculo: 55 minutos

Classificação indicativa: 10 anos

 

Apoio: Centro Cultural da UFG e MVSIKA! Centro de Estudos

Goianos são selecionados para corrida de carros sem motor da Red Bull

Por Olho Comunicação 

>>Equipe “Rei do Gado” está entre os 70 finalistas do Red Bull Ladeira Abaixo 2019, que acontece neste domingo (14), em São Paulo

>> Competição dará ao primeiro colocado uma visita com tudo pago à fábrica da Red Bull Racing, na Inglaterra

Equipe Rei do Gado (crédito - Bianca Cruz) (2)

Neste domingo (14), Goiás estará representado na corrida mais louca do mundo, a Red Bull Ladeira Abaixo 2019. Isso porque a equipe “Rei do Gado” se destacou entre mais de dois mil projetos inscritos e agora integra a lista dos 70 projetos mais criativos, que irão descer uma ladeira da capital paulista. Na ocasião, os competidores deverão completar o circuito proposto no menor tempo possível, movidos apenas à força da gravidade, e pilotando o carrinho sem motor desenhado e construído pelos próprios participantes.

Equipe Rei do Gado (crédito - Bianca Cruz) (1)

Formada por Augusto César, Leandro Candido, Bianca Cruz e Rômulo Ulhoa, a equipe goiana apresentará um projeto inspirado na cultura da criação de gado. “Estaremos com um integrante fantasiado de Rei do Gado e os demais de vaca. Por ser um evento em outro estado, queríamos algum tema regional. Apesar de saber que a cultura goiana vai bem além disso, acreditamos que ficou uma forma original, regional e engraçada de representá-la”, explica o profissional de marketing Augusto César.

Até o momento, o grupo investiu cerca de R$ 3 mil nas etapas de serralheria, construção e decoração do veículo, cujas dimensões não devem ultrapassar 2 metros de largura, 4 metros de comprimento e 2,5 metros de altura. Em contrapartida, eles contam com o apoio do Paim Grill Bar e Restaurante, da GJX Corretora de Seguros, da Imprilux Comunicação Visual e da Odorata Beleza & Cuidados, que toparam patrocinar a equipe neste desafio.

“Além de um dos nossos integrantes ser estudante de engenharia, trocamos ideias com outras equipes mais experientes, mas estamos nos baseando que há 50 anos nossos pais já brincavam de rolimã. Não deve ter tanto segredo montar um carrinho que desce uma ladeira sem motor”, brinca Augusto César.

Conforme o regulamento, todas as equipes e seus veículos devem chegar em São Paulo até a data limite de 12 de abril. No dia seguinte, os carrinhos serão inspecionados por um grupo de juízes e especialistas, em termos de capacidade de circulação e conformidade de engenharia. No dia da competição, o comando do volante será assumido por Augusto César, que contará com o apoio do copiloto Leandro Candido. Já Bianca Cruz e Rômulo Ulhoa integrarão a equipe de box, que ficará responsável por empurrar o carrinho até a linha de largada.

Os competidores serão avaliados pela criatividade do projeto e originalidade do veículo, velocidade da pilotagem e também pela personalidade e performance da equipe. A primeira colocada ganhará uma visita com tudo pago à fábrica da Red Bull Racing, na Inglaterra; enquanto a segunda será contemplada com ingressos para assistir ao GP Brasil de F1, em Interlagos, no mês de novembro; e a terceira uma camiseta oficial da Red Bull Racing.