Levi’s cria a 1° calça jeans reciclada do mundo feita a partir de cinco camisetas de algodão descartadas

Por Leyda Torquato 

A Levi’s, em parceria com a startup de tecnologia têxtil Evrnu, criou a primeira calça jeans reciclada do mundo. Cinco camisetas de algodão descartadas dão vida às novas fibras para a peça. Bem-vindo ao futuro da moda sustentável!

follow-the-colours-jeans-levis-calca-reciclada-algodao-02

O ritmo de produção da indústria têxtil é constante e parte importante do comércio mundial, está em segundo lugar quando falamos em consumo, atrás apenas do alimentício. Cerca de 26,5 milhões de pessoas trabalham para essa indústria de roupas atualmente (aproximadamente um em cada seis trabalhadores da população mundial), a maioria em países asiáticos.

Se formos considerar a produção crescente de novas peças, uma boa quantidade de roupas acabaria indo para o lixo, assim como os recursos naturais usados para produzi-las, como a água – ou seja, a indústria têxtil está cada vez mais sedenta.

follow-the-colours-jeans-levis-calca-reciclada-algodao-04

Pensando nisso, a Levi Strauss & Co firmou parceria com a startup Evrnu para, a partir de cinco camisetas de algodão, criar seu primeiro par de jeans reciclado (a malha mistura algodão regenerado com algodão virgem orgânico). A famosa empresa norte-americana de jeans usou como protótipo o modelo 501 (a primeira calça jeans lançada pela marca) para criar a nova peça que usa 98% menos água que os demais.

Segundo a Levi’s, cerca de 3.800 litros de água são utilizados durante toda a vida útil de uma calça: 68% desse consumo ocorre no cultivo de algodão, enquanto 23% ocorre na casa do consumidor, por conta de sucessivas lavagens.

Já atenta ao próprio setor, em 2009, a empresa lançou a “Etiqueta de Cuidados Para o Nosso Planeta”, que visa educar os consumidores a cuidarem de suas roupas com menos impacto ambiental, lavando-as menos vezes (às vezes basta limpar uma parte e não a peça inteira), além de incentivar a doação em vez do descarte.

levis-3-700x430

Além da economia de água, a aliança com a startup está alinhada a uma tendência crescente de eliminar resíduos e dar vida nova ao “lixo” têxtil, com o objetivo de criar uma economia circular, onde o resíduo é visto como recurso e, assim, reinserido no ciclo produtivo.

“Esta tecnologia é uma grande promessa e um avanço emocionante na forma como nós exploramos o uso de algodão regenerado para ajudar a reduzir significativamente o impacto global sobre o planeta. Ao abordar a conservação da água através da inovação, a indústria do vestuário tem o potencial de reduzir significativamente o seu uso”, afirmou Paul Dillinger, chefe de inovação global de produto da Levi’s, em entrevista.

follow-the-colours-jeans-levis-calca-reciclada-algodao-01

No momento, em fase de testes e conceitos, o objetivo do protótipo é trazer aos consumidores a calça jeans reciclada justamente igual a que você conhece no mercado.

Isso, claro, não aconteceria de imediato; A Levi’s precisa de tempo para se adaptar aos agricultores e acertar outras ideias. “O que nós estamos fazendo agora é olhando para o futuro. Essa tecnologia pode nos dar essa flexibilidade, e ajudar a restaurar parte do meio ambiente.”

follow-the-colours-jeans-levis-calca-reciclada-algodao-05-2

O método não só converte resíduos em fibras renováveis, mas também usa 98% menos água do que os outros produtos. Embora um pouco de algodão virgem seja usado, isto representa um enorme avanço na tecnologia têxtil. A técnica desenvolvida pela Evrnu dissolve o tecido e, em seguida, re-gira o fio, tornando-o mais forte do que antes.

follow-the-colours-jeans-levis-calca-reciclada-algodao-06-1

Num mundo com mudanças climáticas cada vez maiores, produção de lixo em grande escala e até mesmo manipulação de sementes para gerar matéria-prima, o sucesso do reaproveitamento sem comprometer o produto final é uma boa notícia não só para a indústria da moda, mas para o planeta!

(Via Follow The Colours)

21 ‘chapéus’ que fizeram a cabeça da humanidade. E da cultura pop

Por Rafael Nardini

Carlitos, Breaking Bad e até Seu Jorge. Como nasceram chapéus, toucas, caps e bonés que estão aí brilhando nas ruas

A história é rainha em dar nó nas convenções e em recriar significados para uma porção de coisas. A moda, claro, é uma delas.

E se eu disser para você que o chapéu panamá não tem nada de Panamá? E que o fedora estilizado do Indiana Jones é, na real, brazuca? E que Charles Chaplin e Alex DeLarge, o líder da gangue que faz o terror em Laranja Mecânica, têm em comum? Bem, Breaking Bad e a era de ouro do jazz foram beber na mesma fonte – ou usar a mesma chapeleta, se preferir assim. Seu Jorge e Bill Murray são corresponsáveis pela reinvenção indie de uma touca de pescador…

Enfim, é muita coisa, amigos.

Aí seguem 23 itens presentes no seu, no meu, no nosso armário, que simplesmente se negaram a nascer e morrer no mesmo lugar.

1. Carlitos e o chapéu coco
numsyciolqo-jpg

Charles Chaplin foi muitas coisas no cinema – até um icônico ditador -, mas nada é mais Chaplin que Carlitos, o vagabundo, o resumo daquele tumultuado começo de século 20.
Bengala, terno e um chapéu coco (bowler ou derby, se preferir o inglês). A presença dele atravessou o século e a peça segue vivendo no imaginário e na cabeça de muita gente.

Criado em 1948 na chapelaria Thomas & William Bowler – daí o nome -, era feito para durar. Foram logo adotados pelos negociantes dos distritos financeiros de Londres. Para, então, com o tempo, acabar como peça extremamente popular nas vestimenta das classes trabalhadoras.

Nos EUA, foi febre.

No século 19, estava na cabeça de caubóis, imigrantes latinos, negros, trabalhadores de ferrovias. Era muito comum, inclusive no Velho Oeste, como – não – retrata o cinema. Mas esteve na cabeça de mocinhos e dos foras da lei.

2. A Chapelaria ‘Mad Men’
don1-jpg

Don Draper e o chapéu.

Ok, você vai dizer: “Mas ele pode”. Sim, ele pode. Ele podia, ele poderá sempre. Mas, quem sabe, com uma bela pesquisa, você também não possa?

O modelo mais usado pelo personagem mulherengo e perdidão que acaba no fundo do poço interpretado por Jon Hamm é um fedora. Antes que a série mais bem feita sobre a década de 1960 viesse ao ar, os chapéus deste tipo estava condenados a serem usados tão e somente em filmes de máfia. Bem, agora, a depender do seu drink – Don, sugeriria um old fashioned -, a chapeleta passa a valer.

3. Boné estilão baseball
859717379530-jpg

Você teve um. Se não teve, é porque você ainda tem um ou comprou um novo ou algo assim. As chances, inclusive, são bastante boas de que você esteja com ele na cabeça agora.

A verdade é que o corte tradicionalmente usado há meio século na Major League Baseball (MLB), a liga profissional americana, tornou-se um item vivo. E aí nem é necessário que seu boné seja Dodgers, Yankees ou qualquer outro.

O modelo prevaleceu e ganhou o planeta.
Só não esqueça de tirá-lo para almoçar. Meu pai dizia que é falta de educação comer de boné.

4. Beret na cuca
holding-berets-jpg

Há controvérsias, mas o beret, que virou símbolo da França, teria, na realidade, nascido no País Basco. A boina era tradicional entre os pastores aragoneses e navarianos, na região que está dividida entre França e Espanha. Acontece que a produção comercial das boinas se deu no século 17, em Oloron-Sainte-Marie, território francês. E aí é aquela coisa: Quem leva a fama é quem cria ou que populariza?

A atriz Faye Dunaway foi a responsável por cravar para sempre a peça na moda e no cinema. Como a rebelde Bonnie Parker, no clássico Bonnie & Clyde, de 1967, Faye adotou uma diversidade de cores enorme para os chapéus. Mas quase sempre era um beret que fazia a cabeça dela. Na revolta estudantil de 1968 era peça fácil entre as meninas.

Daí para ficar eternamente associada à rebeldia e às mulheres de pulso firme foi um pulo.

5. Clint Eastwood no Velho oeste
a3205ff86e4724669f8125babead082a-jpg

É incrível como os chapéus foram usados por Hollywood para diferenciar “bom” e “mau”, o lado “bonzinho” do lado “horrível”.

Bem, normalmente o lado do bem cabia aos próprios americanos, os conquistadores, e, mesmo assim, capazes de uma moral superior. Então, é muito comum estereotipar os losers com chapéus acabados ou que lembram os sombreros (ver mais adiante), dos vizinhos mexicanos.

Os chapéus de Clint Eastwood não. Esses eram feitos milimetricamente, desenhados para emprestar dignidade, força, poder e o que mais fosse necessário aos seus personagens.

Voltamos a falar deles mais adiante.
Calma aí.

6. Compañero sombrero
zapata-jpg

Muito sol. Muito calor. Pouca ou nenhuma árvore. Daí vem o sombreiro, ícone de Emiliano Zapata, da Revolução Mexicana e verdadeira identidade cultural dos hermanos do Norte.
Registros apontam para a criação do chapelão feito de folhas de palma em Huicholes y Tzoziles, no Estado de Nayarit.

Hoje é folclore.

7. Temos aqui um Sherlock Holmes
Sherlock

É incrível como a caracterização em filmes ou livros conseguem transportar valores para a moda eternamente. Assim como o chapéu coco, o deerstalker cap, o nome real do chapéu do detetive mais conhecido da história, virou signo de investigação.

Nos quadrinhos, nos desenhos animados ou no cinema: se você quer deixar claro que há um detetive de séculos passados, bote na cabeça dele um deerstalker.

Lembrando que, nas obras originais, escritas pelo Sir Arthur Conan Doyle, há apenas uma menção do grande detetive usando um “chapéu de viagem com abas de orelha” em A Aventura de Silver Blaze. De resto,

8. Brigitte Bardot e o Woodstock
8f1fb1d28257ee197e554d6891e4af91-png

A atriz francesa Brigitte Bardot foi um dos maiores símbolos sexuais e da liberdade da mulher nas décadas de 60 e 70. Biquinis, minissaia, peças extravagantes, por vezes, e um chapéu floppy sempre que possível. O acessório acabou por tornar-se uma marca registrada de Bardot, o que quase que automaticamente fez da peça um hit inevitável nos festivais de música, por exemplo. Ele esteve no Woodstock do passado, mas está nos atuais também.

Feito de feltro, veludo, lã ou praticamente qualquer outro tecido. Por isso mesmo, o uso dele é bastante variável. Desde Bardot, o floppy já foi em praticamente todos os lugares: do Oscar à praia.

9. Alex Delarge e chapéu malvadão de Laranja Mecânica
0415975e197ea6ab834a9651c3ae893b-jpg

Aqui vai uma sacada genial do cineasta Stanley Kubrick: “e se eu vestir meu sociopata com a simpática cartolinha (modelo conhecido como bowler ou derby) usada por Charlie Chaplin?”.

É de entrar em parafuso.

Kubrick sinalizava, sem dizer nada, que uma pessoa comum, como Carlitos, como você, pode tornar-se perversa. Se Alex usa o mesmo chapéu de Carlitos – com todas as associações possíveis como listei acima -, Kubrick queria nos dizer que Alex era mocinho, bandido, um jovem que poderia ser considerado padrão ou um pervertido completo?

Todas e nenhuma das alternativas. GE-NI-AL.

10. Forest Gump e o boné do camarão
29141625993_16317116a3_b-jpg

23 anos atrás, Robert Zemeckis deu ao mundo um dos grandes personagens do cinema pop. Forest Gump, o contador de histórias, que corria, corria, corria…

O boné da Bubba Gump Shrimp Co. é um case de marketing dos maiores. São diversos restaurantes da franquia pelos EUA, uma espécie de Outback de frutos do mar. E, adivinhe: Os bonés, lógico, estão à venda e são o grande centro das atenções da marca.

Ah, você consegue encomendar um pela Internet.

11. Breaking Bad e a volta do pork pie
heisenberg-jpg

Heisenberg (ou Walter White, como preferir) foi o grande responsável por fazer deste modelo um fetiche novamente. Se o tráfico de anfetaminas não fosse um sucesso por si, a onda seria o Mr. White traficar chapeletas.

Nascido em 1830, popularizado pelo comediante Buster Keaton no começo do século passado, o acessório era inicialmente feminino. Virou peça fácil na cabeça dos jazzistas em 1950 – um salve para Thelonious Monk, o mostro do piano.

E agora, 2017 adentro, está na cabeça dos fãs de Breaking Bad. Isso é que é ser polivalente.

12. A touquinha (indie) de pescador
Back Camera

Preciso dizer que vi gente vestindo uma dessas e pleno verão na Vila Madalena. Juro para você.

O que as pessoas não fazem para ficarem bem no espelho, né?

O revival para a cultura pop e para delírio dos hipsters foi o filme A Vida Aquática de Steve Zissou, aquele que ganhou trilha sonora com versões acústicas e em português do Seu Jorge para David Bowie.

Dali em diante, com o aval de Bill Murray, o mundo moderninho abraçou a touca dos pescadores americanos para valer.

13. Aquele bonézinho de velho punk
fugazi-creditcynthiaconnolly-jpg

Oliver Twist e os newpaper boys. Dá um belo nome de banda, mas é a história, amigos. São eles os responsáveis por tornar o modelo tão popular na cultura.

Sim, o baker boy hat (apple cap e outros vários nomes) era, naturalmente, um item mais comum entre os jovens americanos e europeus das classes mais pobres no começo do século 20. E os entregadores de jornal usavam eles de verdade. Na França, no mesmo período, teve grande aceitação também entre as mulheres. Entre as classes mais altas, o cap tornou-se comum em passeios de veraneio e partidas de golfe. Para quem não viveu nada disso, já deu para entender porque bandas como AC/DC ou grupos punk abraçaram a moda, né?

14. O (nada) discreto charme da burguesia
bc90fa41788401df6d048cc81cdca7be-jpg

Inventado em 1908 por Caroline Reboux, o cloche – “sino”, em francês – foi sucesso completo até a década de 1930, quando entrou em declínio. Vai na contramão da beret e seu tom mais informal/rebelde e foi ostensivamente usado como símbolo das mais altas castas da sociedade. Daí a ideia de o modelo ser enfeitado com apliques, bordados, jóias e penas.

Ainda assim, segue em baixa. É bem raro vê-lo por aí. A não ser numa festa temática, certo? Ou na cabeça de Angelina Jolie (foto) num filme de época qualquer.

15. Vai uma chapéu de palha aí?
0c7749f8ee9491ac887cc96f5e44aa9c-jpg

Aí vai um caso mais que delicioso: os boaters de palha foram muito comuns na virada dos séculos 19 e 20. Mas com uma grande diferença: eram usados no verão, especialmente por quem se lançava ao mar ou viajava para a praia.

Aí está o motivo da Disney fazer o Zé Carioca usar um desses.

Para quem vive fora, somos e seremos eternamente praia, sol, mar… É boater na cabeça, amigo.

16. Russo, soviético ou alemão?
soviet_soldier_dn-sc-92-04942-jpg

A ushanka foi desenvolvida para proteger os russos do intenso inverno na região do Ártico e seus congelados e inumanos -40 graus na sombra – já que sol não há mesmo.
Durante muito tempo, os russos usavam ushankas de pele animal – coelhos, carneiros e ovelhas, mas também uma espécie muito específica de roedor regional. Durante a Guerra Civil Russa – antes e depois da tomada de poder pelos socialistas soviéticos em 1917 -, o gorro especial foi adotado como uniforme oficial do império russo.

Mas, assim, sem querer provocar os colegas russos, um tipo de gorro muito parecido com a ushanka é retratado pelo pintor Joachim von Sandrart, em 1643, na Alemanha. Pouco importa: a ushanka é e será sempre símbolo russo.

A moda gélida acabou exportada para China e Coreia do Norte. O que não impediu o rapper Jay-Z de usar um modelo semelhante anos atrás. Em plena Nova York.
Que coisa.

17. O fedora foi roubado pelos homens
fedora-hat-jpg

O termo “fedora” nasceu em 1887 por conta de uma personagem de uma peça muito popular na Rússia. O motivo: a personagem Fédora Romanoff, interpretada pela atriz Sarah Bernhardt.

Logo, o chapéu tornou-se um símbolo feminino antes de ser completamente surrupiado pelo visual masculino, de Mad Men a Indiana Jones. O modelo acabou associado também ao movimento de sufrágio e direito ao voto iniciado pelas mulheres ao redor do mundo nas primeiras década do século passado. Forte, né? Para as mulheres é bastante comum a variação do fedora com aba mais larga, que ganha um visual menos combativo e bem mais delicado.

E quem disse que não dá para fazer as duas coisas de uma vez só?

18. Indiana Jones é Brasil
indiana-jpg

“Preciso ter um chapéu que você é capaz de reconhecer apenas pela silhueta”. Essa foi a ideia inicial de Deborah Nadoolman, a estilista responsável pela franquia Indiana Jones.
Ninguém é capaz de dizer que ela não cumpriu com o que prometeu a George Lucas e Steven Spielberg. O fedora estilizado – com aba maior – de Harrison Ford foi fabricado – pasmem – em Campinas. É o que assegura a Chapelaria Cury, que desde 1981, a estreia do herói nos cinema, produziu outras 500 mil unidades do modelo feita com pelo de coelho.

19. O panamá não é do Panamá
fdr-in-panama-july-1934-jpg

16 de novembro de 1906. Este é o dia em que o chapéu panamá, que de Panamá não tem nada, acabou recebendo o nome do país caribenho.

O motivo? A visita do presidente americano Theodore Roosevelt (de branco na foto acima) ao Canal do Panamá.

A outra curiosidade é: se fosse para ganhar um nome de país, o chapéu deveria chamar-se Equador, sua terra de origem. A chapeleta é usada em terras equatorianas desde os incas. A chegada ao Panamá se deu por volta de 1850, quando muitos equatorianos passaram pelo Panamá para chegar aos Estados Unidos, no auge da corrida do ouro.

20. Hasta la vista, cap comunista
fidel-jpg

O cap de patrulha, popularizado por Fidel Castro, é uma peça militar muito popular entre os… americanos! Uau! É comumente usada por soldados em atividades em que o capacete é desnecessário.

Lá estavam os americanos, de cap e tudo, durante décadas, incluindo nas guerras da Coreia e do Vietnã. E o item foi obrigatório no guarda roupa do ditador cubano até o fim da década de 1990. De lá para cá, era praticamente impossível avistar el comandante trajando o tradicional cap verde oliva. No lugar da farda e da pose sisuda, Fidel passou a usar jaquetas esportivas de marcas que patrocinam esportes cubanos.

21. Jackie perdeu o chapéu (?)
50864035874fd504c1cbba53f9ba9cf2-jpg

O vestido pink que Jacqueline Kennedy Onassis vestia quando o então presidente John F. Kennedy sofreu um atentado em Dallas, no Texas, alimenta a curiosidade de muita gente mundo afora. E olha que já se passaram 54 anos. Há uma página no Wikipedia só para a peça, por exemplo. Para complementar o vestido Chanel, Jackie usava um pillbox hat, também rosa.

A ex-primeira dama recusou-se a trocar de roupa após o assassinato de JFK. “Quero que eles vejam o que fizeram”, teria dito, lembrando as manchas de sangue do ex-marido em suas roupas. E com o vestido no corpo foi ao hospital Parkland, em Dallas, reconhecer o corpo presidencial. Com ele no corpo, retornou à Casa Branca, em Washington, no Air Force One.

O vestido repousa no Arquivo Nacional, em Maryland, sem nunca ter sido lavado. A teoria mais aceita é de que Jackie perdeu seu chapéu no hospital, ainda no Texas. A verdade ninguém sabe.

(Papo de Homem)

 

Ipanema e Philippe Starck renovam parceria

Por Vogue 

Inspirada pelos diferentes estilos de mulheres modernas, a coleção Ipanema with Starck traz novidades

82048_thing_u_is

Philippe Starck se une novamente a Ipanema e apresenta um review da sua coleção de sandálias, agora com novas cores. O sucesso da primeira edição foi tão grande que rendeu uma nova versão da coleção. O segundo round da linha Ipanema with Starck traz quatro modelos de sandálias com uma uma nova paleta de cores. A coleção, que combina tons suaves ao tradicional preto e branco e ao all black, mantém o design minimalista.

82045_thing_g_more

As silhuetas da coleção foram inspiradas pelos shapes do corpo feminino e o resultado transmite o lema da coleção, “Menos é mais elegante”, em clima leve e elegante.

ipanem

As novas Ipanemas já podem ser encontradas no Brasil e os preços variam entre R$ 39,99 a R$ 69,99. Podem ser encontradas também em pontos de venda como Corso Como, Colette e Opening Ceremony. 

(Via Vogue Brasil)

Vestida para mandar: conheça o dress code do poder

Por Camila Hessel

Saias curtas, tailleurs justos e saltos agulha não cabem no guarda-roupa de grandes executivas, juízas ou governantes

Pense em Claire Underwood, a personagem vivida por Robin Wright na série House of Cards. Seus vestidos claros, colados ao corpo e sem mangas compõem a silhueta que a ficção nos ensinou a associar a mulheres poderosas. Mas na vida real a história é outra: saias curtas, tailleurs justos e saltos agulha não cabem no guarda-roupa de grandes executivas, juízas ou governantes.

shutterstock-860x572

A partir de um determinado nível de autoridade, mulheres precisam de roupas que ajudem a comunicar poder e, ao mesmo tempo, equilibrem suas proporções, desviando a atenção de determinadas áreas. E ninguém entende disso melhor do que Nina Mclemore. A estilista americana veste, segundo pesquisa realizada pelo The Wall Street Journal, pelo menos 25% das executivas que ocupam os mais altos cargos nas 500 maiores empresas americanas, além da esmagadora maioria das senadoras, juízas e advogadas dos EUA. Sua lista de clientes vai de Indra Nooyi, a CEO da Pepsi, a Hillary Clinton, passando pela juíza da Suprema Corte Elena Kagan e pela chairwomen do Federal Reserve Janet Yellen.

O segredo do sucesso? Uma paleta de cores vibrantes, pensada para mulheres que passam boa parte de suas vidas profissionais diante das câmeras da CNN, e uma série de detalhes milimétricos. As mangas de blazers, casacos e jaquetas, por exemplo, são 2,5 cm mais longas do que a média. Para permitir que as mulheres possam arregaçá-las com estilo, Nina aplica forros de cerca de 6 cm. Esse detalhe aparentemente simples também embute uma inteligência de venda: mangas dobráveis dispensam a necessidade de provas e ajustes em alfaiates, facilitando compras online. As golas são mais altas do que nas roupas comuns, ajudando a alongar a silhueta e a emoldurar o rosto. Autoridade, como se vê, também passa por um apropriado guarda-roupa.

(Época Negócios)

Camisa é feita de um tecido refletor que a torna duas vezes mais visível de noite

Andar de bicicleta ou skate à noite pode ser incrivelmente perigoso, pela dificuldade de ser enxergado. Enquanto bicicletas já contam com luzes específicas que aumentam sua visibilidade no escuro, elas ainda parecem pouco eficazes – e o recurso não está disponível para quem se locomove de skate ou patins, por exemplo.

camiseta1

Uma solução que costuma ser adotada nesse sentido são os coletes que brilham no escuro e chamam a atenção de quem passa, embora eles estejam longe de ser bonitos. Agora, uma camisa que brilha no escuro está prestes a solucionar esse problema sem deixar o estilo de lado.

camiseta8-768x509

RS01 possui listras retrorrefletoras costuradas no próprio tecido. Dessa forma, elas são capazes de refletir a luz do farol de um carro que esteja na mesma estrada que o usuário, aumentando a visibilidade e evitando um potencial acidente. Além de tudo, a peça é bonita e pode ser usada em diferentes ocasiões, sem ter aquela cara de “roupa de esporte”. Isso porque as listras refletoras ficam invisíveis durante o dia e só se mostram quando realmente necessárias.

camiseta9

Durante a noite, a camisa oferece uma visibilidade que chega a 200 metros de distância do farol de um carro. No momento, a peça ainda está em busca de financiamento coletivo através da plataforma Kickstarter, onde já recebeu mais de 20% do apoio necessário para sua realização. Os interessados podem reservar a camiseta com antecedência contribuindo com US$ 95 ou mais para realização do projeto até 6 de janeiro de 2017 – se a meta não for alcançada, o dinheiro é devolvido a todos que tiverem contribuído.

(Via Hypeness)

camiseta10 camiseta7-768x509 camiseta6-768x510 camiseta4-768x459 camiseta3-768x509 camiseta2-768x509

Vogue japonesa faz releitura bacana da estética Pop Art em ensaio usando muitas cores

Follow The ColoursBanner 09 - Avai Correa

A Vogue Japonesa fez uma releitura super bacana da estética pop art em um ensaio usando muitas cores! Com imagens fotografadas pelo britânico Lacey, maquiagem por  Andrew Gallimore e ilustrações em 2D de Craig & Karl, o resultado é tão bonito e original, que não poderíamos deixar de destacar por aqui!

Prova de que é possível se inspirar com alguma referência, mas transformando-a de uma maneira completamente original. O resultado é fantástico!

followthecolours_Lacey_Vogue_00 followthecolours_Lacey_Vogue_01 followthecolours_Lacey_Vogue_02 followthecolours_Lacey_Vogue_03 followthecolours_Lacey_Vogue_04 followthecolours_Lacey_Vogue_05 followthecolours_Lacey_Vogue_06

O que podemos aprender com o filho de Will Smith, que aos 17 anos é estrela de campanha de roupa feminina

HypenessBanner 09 - Avai Correa

Há um século qualquer pessoa estaria horrorizada ao ver uma mulher usando calças por aí. Elas eram, nessa época, um privilégio dos homens e uma moça sensata saberia muito bem disso.

Foi durante a Segunda Guerra Mundial que as calças passaram a fazer parte do guarda-roupas de mulheres que trabalhavam – e só foram introduzidas na moda por volta dos anos 60. Porém, parece que apesar de toda essa história, alguns itens de vestuário ainda continuam sendo associados a apenas um gênero: sim, nós estamos falando de saias e vestidos, considerados como roupas femininas.

Mas será que roupas têm mesmo que pertencer a um só gênero? A nova ação da marca Louis Vuitton está quebrando esse estereótipo ao convidar o ator e músico Jaden Smith, de apenas 17 anos, para estrelar a campanha de lançamento de sua coleção feminina para o verão de 2016. Jaden é filho do ator Will Smith e compra e usa roupas consideradas femininas sem ligar para os tabus. Aliás, ele já deixou bem claro que considera que diferenciar roupas por gênero é algo ultrapassado – e a gente assina embaixo.

No ano passado, em sua conta do Instagram, o adolescente publicou: “Fui à (loja) TopShop comprar algumas roupas femininas… ou melhor, ‘roupas” – o que mostra que, apesar da pouca idade, ousadia é o que não falta para ele.

Confere só alguns dos modelos com os quais Jaden já desfilou por aí – e uma prévia da nova campanha da marca – e aprenda com ele essa lição: o que nós vemos e temos como certo são apenas construções sociais, que, na maioria das vezes, vale a pena questionar:

jaden1 jaden2 jaden3 jaden4 jaden5 jaden6 jaden7

Vogue FNO Flamboyant 2015

FatoMaisBanner 09 - Avai Correa

O Vogue FNO Flamboyant, cuja proposta é anunciar as tendências para a temporada primavera-verão, será realizado no dia 15 de setembro em Goiânia. Para a data, o Flamboyant Shopping Center já registra a adesão de marcas em praticamente todos os segmentos, inclusive dos restaurantes de seu polo gastronômico.Daniela Falcão - VogueFashionsNightOut- Foto- Marcos Cardoso (11)

Entre as ações, estão previstos incentivos nas compras, desfiles, bate papos e palestras com grandes nomes da moda. Na lista de atrações interativas, destaque para as marcas Saraiva Mega Store, Riachuelo, Thellure, Animale, O Boticário, Clinique, Hope, Diesel, Mr. Cat H.Stern, Body for Sure e Schutz.

Durante o evento, um palco ficará instalado na praça principal do centro de compras, no Piso 1, e concentrará atrações abertas ao público. A estilista Lethicia Bronstein, a bloguer Thássia Naves e o apresentador Arlindo Grund prometem comandar os bate papos mais aguardados desta edição. O line up oficial também contará com o time de moda da revista Vogue, representado por Daniela Falcão, Donata Meireles e Bárbara Migliori.Donata Meireles - VogueFashionsNightOut- Foto- Marcos Cardoso (5)_

Ilustrações de moda com acessórios bordados

Avai Corrêa-ArquivoBanner 09 - Avai Correa

É com grande finesse e com um grande senso de estilo que a ilustrações de Izziyana Suhaimi combina iluistrações de moda e bordados sobre o papel. Sobre as silhuetas desenhadas em crayon e em aquarela ela completa a figura por um acessório bordado, como um cachecol, um chapéu ou turbante. A textura do bordado irá adicionar um toque muito realista nas suas ilustrações.

+info: www.izziyanasuhaimi.com/

embroideries-1 embroideries-2 embroideries-3 embroideries-4-777x1024 embroideries-5-774x1024 embroideries-6-768x1024 embroideries-7 embroideries-8-756x1024